terça-feira, 22 de agosto de 2017

Planeta dos Macacos: A Guerra

Quem ainda não decidiu se vale sair de casa neste frio para ver Planeta dos Macacos - A Guerra corre o risco de perder um dos melhores filmes da série - e porque não do ano. No último round da trilogia, macacos e humanos decidem quem tem o controle do planeta. E não se engane: os mocinhos aqui não são os humanos.

Desde que a ficção científica é conhecida o gênero é um prato cheio para criticar os rumos do mundo. Andy Serkis interpreta um César mais eloquente, com capacidade de fala e raciocínio, diante do dilema: sacrificar os limites morais em prol da sobrevivência.

Praticamente todas as críticas levantaram a bola que a Academia devia considerar o Oscar de atuação pelo trabalho de captura de performance de Serkis. Não é aqui que você vai ler algo diferente. Closes de rosto. Movimentos corporais. Trejeitos. Se nos antecessores ainda havia pequenos sinais da mecânica da tecnologia, A Guerra tem um personagem assustadoramente real.

E, por incrível que pareça, ver macacos cavalgando cavalos não é o feito mais surpreendente do filme. Com um Coronel (Woody Harrelson) desempenhando um humano sem traços de humanismo, à medida para estes tempos em que a galera parece que tá de sacanagem, não duvide. Você vai torcer pelos macacos.





A evolução de César nos cartazes dos três filmes



quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas


Um casal de agentes viajantes no tempo e espaço. Um general maluco que comanda um exército de robôs. Uma nave onde convivem harmoniosamente diversos povos intergaláticos com seus uniformes coloridos. Um planeta de seres azuis que vivem em paz e equilíbrio com a natureza. Batalhas entre naves no deserto. Soou familiar? Então você não vai se surpreender com Valerian e a Cidade dos Mil Planetas, novo filme de Luc Besson (O Quinto Elemento) que estreia hoje nos cinemas brasileiros.

Tá bem, vamos ser justos. Mesmo depois de ter lido em vários lugares que o filme se tornou o mais caro da história da França, com um orçamento de mais de 197 milhões de euros, eu fui surpreendida , sim, com a beleza da produção e a qualidade dos efeitos especiais, que superou em muito outros filmes do gênero.

Mas o mesmo não pode ser dito, infelizmente, da dupla de protagonistas Dane DeHaan (que faz o mocinho Valerian) e Cara Delevingne (Laureline) - faltou química e carisma ali, apesar da tentativa genuína dos dois. Ainda bem que tem gente mais experiente como Clive Owen e Ethan Hawke para dar um gás. E a Rihanna, que foi um dos trechos mais bacanas do filme, outra grata surpresa.



Nem por isso eu achei o filme ruim. Pelo contrário, Besson conseguiu deixar o roteiro bem dinâmico e não me fez roncar perdeu como Lucy. E apesar do final previsível, como boa nerd fã de histórias fantásticas no espaço, eu amei viver por algumas horas as aventuras de Valerian. Queria saber mais dele, porém entendo que não tinha muito onde enfiar ali o histórico dos personagens sem babar na cadeira de novo

Vale o ingresso, então? Vale! E se você curte 3D, dá pra ser ainda mais divertido.



P.S. Depois de ver o longa, fui logo tratar de entender porque eu tudo aquilo me fazia lembrar de Star Trek, Avatar e, em especial, Star Wars. Acontece que a trama é baseada nas HQs Valerian e Laureline, antes Valerian, o Agente Espaço-Temporal, lançadas em 1967, 10 anos antes da saga de George Lucas. Sim, isso mesmo, Lucas bebeu direto da fonte e depois ficou essa confusão. Olha que eu até leio bastante sobre Star Wars, mas essa foi novidade!

Deixo aqui uma tirinha engraçada sobre o plágio as "semelhanças", publicada na revista Pilote. À esquerda temos Princesa Leia e Han Solo, tomando uma com Valerian e Laureline no bar dos aliens. :)






quinta-feira, 3 de agosto de 2017

The Belko Experiment


O comportamento do ser humano é obliterado todos os dias pelas amarras da vida em sociedade. Essa frase surgiu na minha cabeça numa sexta-feira indo para o trabalho de metrô/trem. De segunda a sexta eu ligo o automático, junto com as minhas músicas, nas logísticas diárias. O escopo deste procedimento está incluso não xingar, bater e matar as pessoas que entram no vagão antes dos outros saírem, empurrões por causa de celular, folgados em assentos especiais e claro, música alta. Esta historinha é só para pontuar/enrolar que em nosso amago temos vontades violentas que em situações extremas podem esquecer o filtro do bom senso....

Longe de pomposos enclaves, a unidade das Indústrias Belko em Bogotá (Colômbia) vive diariamente uma vida corporativa normal. Chefes que acham que são legais, subalternos com preguiça de seus superiores, romances escondidos, paixões não correspondidas e colegas tontos. Coisas mais do que normais. Talvez a única coisa que fuja dos padrões normais sejam microchips instalados na cabeça para eventuais sequestros.....


Finalizei o parágrafo acima com reticências porque obviamente isso não é algo normal. Assim como você chegar ao trabalho e ver estranhos soldados de cara fechada. Foi assim que Mike Milch (John Gallagher Jr.) foi recebido num dia normal de trampo. Para completar a estranheza, todas as saídas do local são fechadas e uma voz pede para os funcionários matarem alguns colegas, caso contrário, acontecerão muitas mortes.


O bom senso se mantem na primeira ameaça, pelo menos até a primeira cabeça explodir (culpa do tal microchip). Com o sangue surgindo e o desespero aumentando, o lado cruel do instinto de sobrevivência surge de forma avassaladora e letal. Ele nasce em muitos funcionários, mas em alguns indivíduos ele já estava lá, esperando um momento para se soltar das amarras.



Esse experimento cinematográfico é escrito e produzido por James Gunn (Guardiões da Galáxia). Me lembrou muito quando Joss Whedon (Vingadores) fez a mesma coisa com o Segredo da Cabana. Talvez seja a liberação dos estúdios para eles fazerem o que quiserem após ambos renderem muita grana para eles. Ou, talvez não.  


quarta-feira, 26 de julho de 2017

Baby Driver - Em Ritmo de Fuga

Baby?
B - A - B - Y. Baby.

Esta sexta chega às telas de cinema Baby Driver - Em Ritmo de Fuga. Mas o blog MdZ conferiu com antecedência a nova produção de Edgar Wright. (Soou bonito, mas a gente só assistiu a pré-estreia).

Baby Driver é um talentoso piloto de fuga que precisa cumprir um último trabalho antes de largar o crime e rodar pelas estradas da vida.
O problema é que a última corrida nunca chega.

Kevin Spacey, Jon Hamm e Jamie Foxx brilham durante as escapadas engenhosas e uma ou outra parada para repartir os louros do crime.

Mas sem dúvida o destaque é o ritmo do filme, assinatura do diretor Edgar Wright nos seis longas que levam seu nome. Em Baby Driver, a trilha sonora e os elementos urbanos ditam o ritmo com transições criativas entre as cenas, garantindo uma sensação de agilidade e coesão à história.

De negativo um final um pouco arrastado, com uma ou duas reviravoltas que poderiam ter ficado na sala de edição. Ainda assim, vale o dinheiro e as horas gastas pela viagem.  

Quatro cafés para acompanhar, por favor.



quarta-feira, 12 de julho de 2017

Ao Cair da Noite



O silêncio é uma forma que cineastas usam para prender a atenção dos telespectadores (geralmente em histórias de terror e suspense) e para contornar baixos orçamentos. Ao Cair da Noite tenta usar este artifício para as duas finalidades. Só que neste caso, os poucos sons do filme só serviram para impossibilitar que eu não comesse meu amendoim para não atrapalhar a concentração de ninguém no cinema. Sim, eu também li críticas boas sobre o filme e achei que seria uma boa pedida, mas a lição que fica é: não adianta criar um clima se o roteiro não colabora.


Em algum futuro não muito distante, aparentemente uma doença extremamente contagiosa e mortal atingiu esse planetinha azul. Somos apresentados a esta dura realidade quando a família formada por Paul (Joel Edgerton), sua mulher Sarah e o filho Travis são obrigados a matar, queimar e enterrar o vovô Bud.


Vivendo isolados no meio do mato, com regras bem restritas de segurança, a família tem sua rotina alterada quando um desconhecido tenta invadir sua casa durante a noite. Paul acaba descobrindo que o meliante, de nome Will, só estava tentando achar água para os seus parentes e os dois chegam a um acordo para viverem todos juntinhos sob o mesmo teto. Se morar com pessoas conhecidas já é algo difícil, imagina com desconhecidos num ambiente apocalíptico...  


 A minha sorte é que os momentos mais “tensos” do filme são previsíveis e assim consegui comer alguns amendoins. Se eu tivesse a lembrança de passar fome, minha nota teria sido pior ainda. De qualquer forma, foi uma boa escolha para uma quinta-feira pós trabalho.   


quarta-feira, 28 de junho de 2017

A Múmia


Desde que começamos a colocar classificações nos textos do MDZ eu estava querendo ser um pouco cruel e dar uma nota baixa. Não precisei esperar muito para fazer isso. Meus amigos, que espero que leiam essas linhas, sempre me acusam com difamações sobre a minha bondade com filmes ruins. Poxa, isso é uma calúnia (momento Quércia). Se eu estou esperando que um filme seja ruim, eu não critico. Agora... se a porra da expectativa está alta, é bom a bagaça ser boa. Melindres explicados, agora posso adiantar que este filme é ruim.  

A Múmia é o primeiro passo para o “Dark Universe”. A Universal teve a brilhante ideia de rivalizar com a Marvel e DC e tentar criar um universo com personagens clássicos do terror que eles possuem (Múmia, Drácula, Frankenstein, Lobisomem e etc). A essência desta vã tentativa eu concordo que é boa. Agora, obviamente, este filme inicial não ficou dos melhores. Para falar a verdade, ele é tão ruim que pode ter fechado a porta para os demais. No último parágrafo eu vou dar algumas sugestões de como deveria ter sido feito (minha parte humildade escreveu isso).


Em alguma época a milhares de anos atrás, a princesa egípcia Ahmanet (Sofia Boutella) tem um ataque de grandeza e resolve ressuscitar o deus Set, o mais malvado dos deuses egípcios. A garota mimada é impedida antes de concluir o ritual e recebe a pior das piores condenações da época (velha história, enterrada mumificada bla bla bla).


 Nos dias atuais, Nick Morton (Tom Cruise) e Chris Vail (Jake Johnson), dois soldados do exército que na verdade são ladrões de catacumbas, entram em confronto com guerrilheiros no Iraque e acabam descobrindo acidentalmente a tumba de Ahmanet. Com o auxílio da doutora Jenny Halsey (Annabelle Wallis) a dupla resolve levar a grande descoberta para Londres.



Para seguir a história, a Múmia dá um jeito de reviver e atazanar os heróis da trama. No meio, para bagunçar as coisas e tentar explicar o tal do “Dark Universe”, ainda somos apresentados a uma organização chamada Prodigium, capitaneada pelo doutor Henry Jekyll (Russell Crowe).   
 

Uma das expectativas de tiro certo para a produção do filme foi contar com Tom Cruise como principal personagem. Caramba. Sem contar muito do filme, mas não adianta ter um grande ator se você vai colocá-lo numa história sem pé nem cabeça. A Universal tinha um rico material para trabalhar. E era fácil. Bastava manter uma história mais séria, com poucos efeitos especiais e com pitadas de terror que a franquia ia ser sucesso. Talvez eu esteja sendo ingênuo. Estamos num momento atual onde grandes franquias possuem justamente o contrário. Vários efeitos, piadinhas e roteiros simples. Se o filme seria melhor do meu jeito? Nunca saberemos.  
  

terça-feira, 13 de junho de 2017

Mulher-Maravilha


O ano de 2017 não está sendo fácil. Momento político, trabalho e feriados significam diretamente menos postagens no blog. Para tentar mudar isso, eu tenho que me comprometer e nada melhor para fazer isso do que em uma conversa por gtalk eu falar a frase mágica “deixa que eu escrevo sobre o filme xxx”. Bom, aí chegamos neste texto, conto, palavras sem nexo ou como você preferir chamar.

Mulher-Maravilha é um filme bem legal. Desta nova leva da DC, pós trilogia do Nolan do Batman, é disparado o melhor (não é só uma vitória moral). A história é bem redonda. Ela conta a origem e constrói a lenda desta personagem tão importante para os quadrinhos e para a vida real onde reforça a luta das mulheres pela igualdade de gêneros e mostra que elas são as grandes protagonistas também na vida real.  

O nome da Mulher-Maravilha para quem não sabe é Diana. Ela é filha da Rainha Hipólita e nasceu na ilha de Themyscira, morada das amazonas que foram criadas por Zeus para enfrentar Ares, o deus da Guerra.


Vivendo em constante treinamento para aprimorar suas habilidades e poderes para um possível retorno de Ares, a jovem Diana (Gal Gadot) é surpreendida quando o piloto Steve Trevor (Chris Pine), em plena Primeira Guerra Mundial, acaba se acidentando nas águas de Themyscira. Junto com ele também surgem alguns alemães, o que força as amazonas a entrarem em conflito imediato.  

   
Com uma dose de inocência capitaneada pelo desejo de enfrentar o mal encabeçado por Ares, Diana resolve sair da ilha para acabar com o mal pela raiz. Ela e Steve Trevor então partem para o front onde os horrores da guerra se manifestam de várias formas e moldam o espírito de nossa heroína.  


Antes de assistir ao filme eu estava com uma impressão que os roteiristas se basearam no primeiro Capitão América (2011) para elaborar o tom da saga da Mulher-Maravilha no cinema, após assistir, essa ideia foi confirmada. Eu nem considero o palco “Guerra” para fazer a comparação e sim outros elementos bem visíveis na história. Como eu não sou estraga prazer e este filme vale a pena ser visto, vou ficando por aqui. Não gostei muito deste “vou ficando por aqui”, porém é o que restou da minha criatividade para a finalização da resenha. Prometo melhor no próximo.  


sábado, 27 de maio de 2017

Fragmentado


Nunca duvide de M. Night Shyamalan. Repita isso 10 vezes sempre quando pensar o contrário. Fragmentado surgiu quando ninguém esperava e se tornou um sucesso que uniu todas as tribos, assim como foi o Norvana.... Exagerei. Brinquei. Mas, como toda brincadeira, esta também tem um fundo de verdade. Depois de alguns erros, o diretor indiano pode comemorar o retorno das críticas positivas, dos grandes lucros e, principalmente, o sinal verde para continuar a expandir suas histórias.

O filme começa com três adolescentes sendo sequestradas por um tipo muito estranho em pleno estacionamento de um shopping. Apesar do captor se chamar Dennis, com o passar do tempo no cativeiro, as jovens descobrem que Dennis é só uma das 23 personalidades dentro da cabeça de Kevin (James McAvoy). Entre uma ou outra tentativa de fuga, a mais espertinha (e também mais esquisita) das meninas, Casey (Anya Taylor-Joy), descobre que a zica mesmo vai acontecer quando a besta chegar, ou quando a personalidade número 24 tomar conta do corpo de Kevin.
    

Fragmentado é uma história singular que dá muito certo pelas atuações do elenco e por surpresas que aparecem no decorrer de todo o filme, inclusive na última cena. Este final é mais uma prova do talento de contador de histórias do diretor e um puta motivo para ficarmos atônitos.



Imaginar os próximos passos já seria fácil após assistir o filme. Escrever este texto com 3 meses de atraso então, é muito injusto fingir alguma previsão. Por isso, vou terminar com uma informação. Shyamalan praticamente terminou o roteiro do terceiro filme deste universo.... repare que eu não falei em nenhum momento qual foi o primeiro...


quarta-feira, 10 de maio de 2017

Guardiões da Galáxia Volume 2

Guardiões da Galáxia, os heróis com menos caráter da Marvel, estão de volta para mostrar ginga e salvar o universo do juízo final.

Música. Referências ao universo pop. Muitas piadas. Todos os elementos que fizeram do filme de estreia um sucesso têm espaço na sequência, que mal completou duas semanas em cartaz e caminha para arrecadar bilhão nas bilheterias.

E são justamente os elementos de humanidade que estão ameaçados pela presença do antagonista do filme, uma entidade celestial tão obcecada com a própria figura, quanto pouco interessada pelo resto. Por coincidência, o vilão atende pelo nome de EGO.

A nova aventura adiciona caras novas ao elenco do filme, ao mesmo tempo em que explora o universo cósmico da Marvel.

Sobra espaço para algumas esquisitices, piadas que a censura talvez não tenha entendido, pelo menos duas grandes sequências de ação e muitas cenas com Baby Groot, um carismático toquinho de madeira com dois olhões e um pouco de inocência.

Além de cinco cenas pós-crédito, o que deve ser algum tipo de recorde.