domingo, 19 de outubro de 2014

O Homem Duplicado




O cenário era desafiador para uma dupla de cinéfilos. Após assistir uma luta típica do Lyoto Machida (sonolenta!), com aqueles horários bacanas do UFC (todas as lutas são na madrugada), o objetivo era encontrar um filme bom para finalizar bem à noite, ou no mínimo para acordar e voltar sem sono para a minha casa – evitando assim uma tragédia no trânsito. 

Zapeando pelas milhares de opções da tv a cabo, eu e meu amigo demos de cara com O Homem Duplicado. “Que filme é esse? Você conhece?” “Não faço a mínima ideia. Abre a sinopse aí”. Esse foi o nosso grande erro da noite. Nas informações do filme constavam os nomes do diretor Denis Villeneuve e do ator Jake Gyllenhaal, a mesma dupla do ótimo filme Os Suspeitos. Ainda de bandeja, estava escrito que o filme era baseado numa obra de José Saramago. Agora eu pergunto. Tem como esse filme ser ruim? Infelizmente, teve sim... e como teve.

O filme começa com algumas cenas estranhas de sexo. Logo após somos apresentados a Adam Bell (Gyllenhaal), um tímido professor de história que, ao alugar um filme, encontra um ator coadjuvante que parece ser seu irmão gêmeo.


Assustado e espantado (e todos os sinônimos que aparecem no word como sugestão), o professor resolve ir atrás do tal ator e descobre que  o nome verdadeiro dele é Anthony Claire. Depois de muito silêncio e observações, os dois acabam se encontrando e ambos criam uma fixação estranha pelo outro, principalmente pelas suas nítidas diferenças.  


Mesmo com desejos opostos, uma vontade parece dominar os dois; viver a vida do outro sem ninguém desconfiar. Isso poderia até dar um gás no filme, só que não adianta em nada. E quando você acha que vai, que cria várias teorias, o filme simplesmente acaba! Eu sempre me considerei um cara que manja de filmes, mas juro que tive que procurar no google para entender o final. Pode colocar essa bomba naquela lista de filmes que acham que são de “arte” e por isso não precisam explicar muita coisa. Não assistir é quase uma obrigação.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Guardiões da Galáxia

Guardiões da Galáxia é a mais nova adaptação do Universo Marvel para as telas de cinema.

No longa, Peter Quill (Chris Pratt) e Gamora (Zoezinha Saldana) se juntam a montes de personagens improváveis para cruzar o espaço em busca de uma das gemas do infinito, um instrumento bélico dotado de poderes em escala universal - e um nome legal para se dizer em voz alta se você quiser queimar o próprio filme.

Com uma trilha sonora mesclando clássicos dos anos 70 e 80, o filme resgata parte do clima de aventura e o entretenimento de clássicos da Sessão da Tarde como Indiana Jones e O Pato Howard.

Entre apresentações do próprio grupo (pouco conhecido até entre leitores de quadrinhos), Guardiões da Galaxia esbarra em vários conceitos com potencial para aparecer em futuros longas da Marvel: Tropa Nova e os planetas Xandar e Kree para citar dois deles.

Claro que há espaço para nova aparição de Thanos, que debutou junto com Vingadores e está confirmado para a sequência da franquia.